AS 10 FASES DE UM APLICANTE DO WHV, NOVA ZELÂNDIA

dicas de viagens

Não, esse não é mais um dos milhares posts, manuais ou dicas de como aplicar o Working Holiday Visa, na verdade as 10 fases de um aplicante é uma retrospectiva das fases que vivi em 2014, fases essas que antecederam minha vinda a Nova Zelândia. Se você está lendo esse post, possivelmente está nas primeiras fases ou já aplicou anteriormente e está querendo relembrar o sufoco.

Me lembro bem antes da aplicação quando me tornei uma “WHVaholic”, muita gente está nessa fase agora, já que as vagas abrem em setembro. Sei que que ficamos garimpando a internet procurando as melhores dicas e caminhos para garantir a vaga, já te adianto que a ansiedade só aumenta com o tempo, não conseguimos comer nem dormir direito pensando na tal aplicação do WHV. Por isso pensei em descrever as fases de um aplicante, com base na minha experiência. Vamos lá!

FASE 1-  A DESCOBERTA

Essa é a fase em que você começa a pesquisar sobre os tipos de vistos e descobre que o WHV é a forma mais fácil e barata de ir para Novo Zelândia, já que com o VISTO DE TURISTA você NÃO pode trabalhar, com VISTO DE ESTUDANTE você precisa fazer um investimento inicial já que terá que antecipar o pagamento do curso para aplicar o visto e pode trabalhar apenas 20 horas por semana, e o VISTO DE TRABALHO é bem mais complexo para quem ainda está no Brasil. A DESCOBERTA é a fase quando você ler as condições para ser elegível para o Working Holiday Visa e esse VISTO se enquadra como uma luva. E nessa fase que o WHV se torna o dono dos seus planos dai para frente.

FASE 2- A INDIGINAÇÃO

E nessa fase que você descobre outros detalhes que te deixa indignado;

- São apenas 300 vagas para brasileiros;

- Existe mês, dia e horário específico para aplicar, sendo apenas uma vez por ano.

- E o visto te permite trabalhar apenas 3 meses para cada empregador, ou seja, em um ano mudará de trabalho no mínimo 4 vezes;

Eu sei, passei por essa fase meio desanimada, no meu caso foi mais indignante ainda pois as condições do WHV são diferentes para cada pais, por exemplo meu marido é Alemão e para Alemanha, as vagas são ilimitadas, você pode aplicar a qualquer hora e dia do ano ( claro tem ser elegível da mesma forma, quanto ao perfil não muda nada), e pode trabalhar durante todo o ano no mesmo trabalho, simples assim. Foi ai que começei a cobiçar o WHV do meu marido, e achar o WHV para o Brasil não era tão perfeito como eu achava no começo.

FASE 3- COMO SER UM DOS 300?

Essa é a fase que você decide que é merecedor de uma das vagas e que vai fazer de tudo para conseguir, é começa a pirar e ler cada single post, vídeo ou informação sobre o assunto. Mas lembrando, antes de gastar seu tempo garimpando a internet leve em consideração a data da informações, nível de confiabilidade e para ser mais preciso e direto, foco no site da imigração.

Calma amigo, essa é uma fase conturbada mais gostosa afinal você começa a conhecer histórias de pessoas que conseguiram, e começa a adquirir um positivismo em relação ao assunto.

FASE 4 - E SE ?

Depois de passar por uma fase de burocrática em relação a entender como será a aplicação e seus rules, o seu relacionamento com a Nz toma outros rumos, pois você entra na fase “E se?”, tipo: “E se eu conseguir o visto, em que cidade vai viver? onde vou morar? Como vou conseguir um trabalho? E um milhão de dúvidas aparecem nessa fase, eu particularmente “gastei bastante tempo tentando responde-las nessa fase, desenhado meus planos e acreditando fielmente que tudo daria certo.

FASE 5- AGUARDANDO O GRANDE DIA

No ano que apliquei o WHV, 2014 a imigração publicou uma nota que diferente dos anos anteriores onde eram divulgados a data e horário que o sistema abriria para inicio das aplicações não seriam divulgados, avisando apenas que seria em SETEMBRO e que deveríamos acompanhar diariamente. Essa foi uma decisão muito ruim, muito ruim, pois passei a visitar o site um milhão de vezes por dia. Acabou que o sistema abriu exatamente na mesma data e horário que os anos anteriores, e quem realmente queria ser um dos 300 está logadinho naquele exato momento.

FASE 6- O GRANDE DIA

Faça um check list para não esquecer de nada, por isso esteja com cartão de crédito internacional e desbloqueado para pagar a taxa ( pode ser o cartão do pai, da mãe, do amigo não precisa está necessariamente no seu nome); passaporte válido; RG ou CNH e um copo de água com açúcar para acalmar os nervos. Também é importante ter uma internet rápida, e um computador sem vírus ou coisas que atrapalhem a agilidade do preenchimento.
O processo é basicamente: preenchimento, pagamento e confirmação, se você passou por essas partes você é um dos 300, no meu caso, sai pulando feito um coelho, abraçando o povo que encontrava na rua, parecia que eu havia ganhado na loteria, e do meu ponto de visto eu realmente tinha reservado o ticket para a aventura mais fabulosa da minha vida.

FASE 7- IMIGRAÇÃO, EXAMES E TENSÃO

A fase de se sentir o máximo passa rápido logo após o primeiro contato da imigração que te informa por e-mail que deverá enviar o raio-x e que ele deverá está na Nova Zelândia em exatamente 15 dias. Ai começa, a correria, pois se você não sabe, você tem que agendar com um dos médicos credenciados da lista da imigração, eu por exemplo tive que viajar para outro estado pois no meu estado não havia ninguém autorizado pela imigração. Dica, eu fiz e deu certo, antes da aplicação ligue agendando um consulta para o dia seguinte após a aplicação, caso não consiga ligue cancelando, caso consiga, não terá que enfrentar problemas, tipo: não tem vaga, o médico está de férias, porque tipo esse povo caga prá você, e quanto mais urgente é mais caro fica. Morando no Nordeste gastei quase R$ 500 com exames e envio, mas conheci pessoas que estavam no sudeste e gastaram R$ 200, por isso pesquise e economize. Ouvi falar que esse ano o envio será online, torço para que isso seja verdade e sejam poupados dessa tensão do envio, pois os serviços dos correios brasileiros quase me mataram do coração com a lentidão.

FASE 8- APROVADO

Você só relaxa mesmo quando a imigração recebe seus exames e o seu status passa de pendente para aprovado, é nessa fase que você pode imprimir seu visto online. Claro, que a ansiedade não acaba por ai afinal, você ainda tem toda uma viagem para programar.

FASE 9- E AGORA?

Quanto custam as passagens aéreas? Qual a melhor época para viajar? Preciso comprar a volta? Quanto custa o seguro? Qual é o melhor? Como levar a grana exigida pela imigração? Como pagar menos IOF?  Vou estudar? Que escola?  Malas, o que levar o que deixar?

Essas são perguntas que iram te ajudar a programar no período de pré-viagem. não deixe tudo prá ultima hora,

FASE 10- ANTES DA VIAGEM

Confesso que não é um tarefa fácil fazer uma mudança como essa, dentre essas fases surgirão incertezas, medo de está tomando a decisão errada, saudade, insegurança financeira, medo de não adaptar-se são tantos os sentimentos que muitos acabam se cobrando tanto que já chegam em um estado de pré-depressão. Por isso acho importante que se prepare psicologicamente e digo por experiencia própria não há o que temer, se você estiver disposto a aprender/aperfeiçoar o inglês, não ser exigente com trabalho e principalmente aproveitar a melhor experiência que é conhecer esse paraíso que é a Nova Zelândia. Por isso, hoje com quase 7 meses de Nova Zelândia, não tenho dúvida que faria tudo outra vez, pois cada minuto é válido.

Para informações a respeito de como aplicar o WHV, visite o site da imigração : http://www.immigration.govt.nz

dicas de viagens

Deixe seu comentário